Animais podem sofrer um AVC?

Dados do Ministério da Saúde estimam que, no Brasil, 68 mil pessoas morrer por causa de um acidente vascular cerebral (AVC). Além disso, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), uma em cada seis pessoas terá a doença em algum momento da vida. O problema, no entanto, não é exclusivo dos seres humanos e pode afetar os animais.

 

“Um acidente vascular ocorre quando o trajeto sanguíneo é interrompido em qualquer parte do corpo. Se isso acontecer no cérebro, dá-se o nome de acidente vascular cerebral. O fluxo do sangue do cérebro é interrompido e o cérebro fica sem oxigênio”, explica Carla Storino Bernades, veterinária da Cobasi.

O problema pode acometer cães e gatos. Na maioria dos casos, o quadro é gerado por outra doença, como insuficiência renal, doenças cardíacas, problemas de tireoide, síndrome de cushing, diabetes e hipertensão.

cao pode sofrer avc

De acordo com a especialista, o tutor deve ficar atento aos seguintes sintomas:

  • Perda de visão
  • Inclinação de cabeça para um dos lados
  • Perda de equilíbrio
  • Paralisia facial
  • Letargia ou debilidade total da consciência
  • Mudança significativa de comportamento
  • Andar em círculo

“É importante levar o animal imediatamente ao médico veterinário. Em casos mais severos, o AVC pode levar o pet a óbito”, alerta Carla. Para conseguir diagnosticar a ocorrência de um acidente vascular cerebral, o animal deverá realizar os exames de tomografia e ressonância magnética.

Apesar da gravidade do problema, com os cuidados adequados, a maioria dos animais se recupera em algumas semanas. “O tratamento tem o objetivo de minimizar os danos causados pelo AVC e prevenir a ocorrência de novos derrames. Por vezes, são usadas medicações para tentar diminuir o inchaço no cérebro logo após o acidente, mas não há comprovação de que este cuidado realmente possa trazer algum benefício”, afirma a especialista. “Sempre que possível, procura-se também melhorar a oxigenação do cérebro, com o uso de oxigênio e alguns medicamentos”, completa.

Além disso, o animal deverá realizar sessões de fisioterapia para minimizar as chances de ter alguma sequela no sistema motor. Para evitar a ocorrência de um AVC, a melhor forma de prevenção é realizar consultar regulares no veterinário para que o estado de saúde do animal seja verificado e problemas sejam evitados.

Foto: Getty Images

Fonte: PetCidade.com.br.

Deixe um comentário