Devemos vacinar os cachorros contra a gripe?

Cão com gripe

Ilustração Rodrigo Fortes

Vem o inverno e, com ele, as gripes e os resfriados. Não, não estou falando de nossa saúde. Estou falando da do seu cachorro.

Também entre os cães, a estação seca e fria favorece a transmissão, pelo ar, de vírus e bactérias que gostam de se instalar nas vias respiratórias. O nome técnico da doença é traqueobronquite infecciosa canina, porque os agentes se fixam entre a traqueia e os brônquios. Mas ela é conhecida como tosse dos canis pois seu principal sinal é uma tosse repentina (seca ou com catarro), que aumenta com exercício ou excitação.

Por trás da tosse podem estar diversos vírus (adenovírus canino tipo 2, vírus da influenza canina H3N8, vírus da parainfluenza canina, herpes-vírus tipo 1 e coronavírus canino respiratório) e bactérias (Bordetella bronchiseptica, Streptococcus equi, Mycoplasma cynos).

Isso significa que o fato de um animal estar infectado por um deles não impede a infecção por outro, exatamente como acontece com as pessoas. É por isso que as vacinas (intranasal ou por injeção) reduzem a chance de o animal adoecer, mas não previnem completamente a infecção —elas só imunizam contra os agentes mais comuns.

Ainda assim, você deve vacinar seu cão. Pois se ele entrar em contato com esses vírus e bactérias terá uma doença mais branda. Quando vacinar? Melhor teria sido fazer isso uns dois meses antes da temperatura cair, para dar tempo do sistema imunológico responder. Ainda não vacinou? Faça-o agora e repita a dose anualmente. Antes tarde do que nunca.

Em tempo: com exceção das bactérias do gênero Bordetella, que são um risco para humanos imunossuprimidos, não há evidências de que os cães transmitam gripe para humanos ou vice-versa.

Fonte: Folha de São Paulo
Por: correa-silvia@uol.com.br

Deixe um comentário